Luanda Cartoon: a crescer com a banda desenhada nacional

Luanda seria um bom palco para uma história de banda desenhada. O Centro Cultural Português seria o cenário e os feitos heróicos estariam a cargo da dupla Lindomar e Olímpio Sousa.

Luanda Cartoon 2015

Luanda Cartoon 2015

Na realidade, a magia não acontece com truques, mas com muito trabalho, para conseguir ano após ano reunir cartoonistas e as suas obras num ambiente de intercâmbio criativo e cultural.

Os irmãos Sousa estão mais uma vez à frente do Festival Internacional de Banda Desenhada e Animação, que este ano realiza a sua 12ª edição.

Os participantes assíduos são testemunhas de como o Luanda Cartoon tem acompanhado o crescimento da banda desenhada e animação em Angola, fazendo deste encontro anual um momento fundamental de reencontro com o público e entre artistas.

Os jovens criadores têm um papel cada vez mais importante na festa do cartoon, que já pensa em multiplicar o número de eventos e viajar pelo país.

Para além das paredes coloridas e cheias de histórias para serem apreciadas, existem também livros que os visitantes podem adquirir na passagem pelo Luanda Cartoon. Este ano foram lançadas sete obras de banda desenhada nacional, que, a avaliar pela adesão ao evento, se encontra numa fase promissora.

Uma das novidades desta edição é a participação feminina. Essa responsabilidade coube às jovens Ivana Teles e Luísa Francisco que esperam com esta participação incentivar outras jovens a fazê-lo.

Os grafites são outra das novidades desta edição, que conta com obras de três representantes daquilo que de melhor se faz na arte urbana nacional. And Graft assina a criação das duas musas africanas que recebem os visitantes e que captam muitas das atenções pelas cores e formas.

Outro dos elementos de destaque neste espaço é a reprodução do cartaz desta 12ª edição do Luanda Cartoon feita pelo cartoonista angolano Carlos Alves. Num ano em que se celebra os 40 anos de Independência nacional, Carlos Alves expõe um cartoon sobre a celebração da independência e os valores nacionais, que acredita poderem ser exaltados e difundidos dos livros de BD.

O Centro Cultural Português em Luanda está de portas abertas até 28 de Agosto para receber os curiosos e apreciadores de BD com uma oferta diversificada de artistas nacionais e internacionais.


 

Vanessa Colaço